Connect with us

Caminhões

Scania investe R$ 65,7 milhões em centro logístico para distribuição de peças

Published

on

Operação no Brasil é responsável por abastecer o mercado interno e países da América do Sul, Central, Europa e África

A Scania vai investir R$ 65,7 milhões para ampliação de seu centro logístico de peças de reposição localizado em Vinhedo, São Paulo. A iniciativa visa aumentar o número de mercados atendidos a partir do Brasil, além de melhorar a eficiência dos processos e fluxos e preparar o armazém para receber itens relacionados a novos produtos, como, por exemplo, os veículos elétricos. “Hoje somos responsáveis por abastecer 180 pontos de atendimento no país, somados aos destinos internacionais da Bélgica, África do Sul, América Central e sete Unidades de Negócio da Scania na América do Sul. Com este aporte estamos nos preparando para o futuro, com foco sempre na garantia da disponibilidade para os clientes”, conta Paulo Moraes, Vice-Presidente de Vendas e Marketing da Scania para a América Latina.  

 O investimento acontece no mesmo ano em que o centro logístico completa uma década de sua chegada à cidade, de onde pelo ar, mar ou terra – seja para o norte do Brasil, países vizinhos ou do outro lado do Pacífico –, escoa diariamente mais de 42 mil peças para distribuição e/ou armazenamento visando à reposição pós-venda. No espaço atual ficam disponíveis cerca de 40 mil itens e com a ampliação em 50% da sua capacidade física, passará de 15.000 m2 para 22.500 m2. Essa é a única unidade de negócio de logística e de reposição de peças da Scania no mundo com estrutura semelhante a sua matriz logística, que fica na Bélgica.  

“O veículo precisa estar sempre operante e com disponibilidade. O que não pode acontecer ao nosso cliente é faltar peça. A maior lucratividade para ele é não parar”, destacou o executivo, complementando que a cada introdução de novo produto amplia-se esse desafio de ter itens à disposição. “Esta atividade recebe cada vez mais foco estratégico pelas oportunidades de ganhos em eficiência que ela pode trazer”, completou. 

Ganhos, aliás, que a tecnologia já permite. É o caso do acompanhamento de dados coletados dos caminhões em tempo real e que tornam possível os serviços de manutenção programados garantindo uma redução do tempo de parada do caminhão de até 30%. “Por tradição, o negócio de peças de reposição olha pelo retrovisor, conferindo a demanda do passado para planejar o futuro. Mas com os dados a gente consegue antecipar esta necessidade, trabalhar com previsibilidade e garantir maior qualidade e eficiência na distribuição das peças para os cliente”, destacou Ademir Egídio, gerente executivo do centro logístico.   

Pietro Nistico Neto, gerente de Desenvolvimento de Rede da Scania Operações Comerciais Brasil, vai além e completa que o local é um dos pilares fundamentais para a experiência do cliente Scania. “Atualmente, estamos com 97,4% de nível de serviço, nosso maior índice da história, o que representa a quantidade de pedidos que chegam para o centro logístico e o quanto a equipe consegue atender de forma imediata. Ou seja, é um patamar altíssimo comparado às grandes redes de varejo online”. 

Neto destaca ainda que nos mais de 180 pontos de atendimento da rede Scania no Brasil, distribuídos por todo território nacional, o cliente encontra as peças disponíveis em 93% dos casos. “Facilita e muito para a disponibilidade das frotas dos clientes Scania os mais de 23 mil itens armazenados para pronta entrega em nosso centro logístico. Além disso, a localização privilegiada nos ajuda a ter uma média de dois dias e meio de prazo de entrega, considerando todo o território nacional”. 

Outro fator preponderante da importância do centro logístico para o dia a dia da operação das concessionárias é que 60% do estoque da rede é programado com o uso de inteligência artificial. O DSM Scania (sistema global de gestão de estoque de peças das concessionárias) aprende qual o perfil de consumo da Casa Scania, com base no histórico dos clientes da região, e tipos de aplicação comuns de transporte, e faz a reposição automática das peças, eliminando processos manuais e propiciando um maior ganho de escala. É um trabalho integrado entre todos os sistemas operacionais da empresa.  

“Os constantes investimentos feitos no centro logístico e a busca diária de melhoria dos processos em parceria, para ganhar mais velocidade nas entregas, têm contribuído para proporcionar a máxima disponibilidade para as frotas dos clientes. Por consequência, os veículos ficarão menos tempo parados, o que vai gerar mais rentabilidade na operação do transporte. Além de suportar de forma assertiva a rede Scania e a nossa área de Serviços”, conclui Neto. 

De olho em novos mercados – Além de melhor experiência ao cliente, a partir dessa ampliação do centro logístico de Vinhedo abre-se a oportunidade de atender novos mercados como o México, ainda em estudo. E, também, será possível incorporar a eletrificação para que a unidade de negócios esteja adaptada e assim contribua com a estratégia global da Scania – que projeta até 2030 ter os modelos eletrificados representando mais da metade do seu volume de vendas de veículos novos. 

Localização estratégica – Vinhedo se mostrou como ponto estratégico para instalação do centro logístico de distribuição de peças da Scania em razão da proximidade às principais rodovias, como a Anhanguera e Bandeirantes, ao Aeroporto de Viracopos e rápido acesso ao Rodoanel, o que tem impacto na redução no custo e no tempo da entrega de peças para as concessionárias do Brasil e América Latina. “A capilaridade para o deslocamento foi um atrativo fundamental para mudar a operação de São Bernardo do Campo para Vinhedo e com o tempo vimos como a decisão foi acertada, porque estamos perto de Campinas que tem muito potencial logístico e é um polo de tecnologia”, destacou Ademir. 

A operação gera hoje 170 vagas de trabalho, sendo 140 diretas e outras 30 indiretas.  

 Inovação e sustentabilidade 

O Centro Logístico de Distribuição de Peças: 

  • Utiliza o monitoramento de rota pensando no melhor modal (aéreo, rodoviário ou marítimo) nos deslocamentos para distribuição de peças visando à redução de CO2;  
  • Tem um laboratório que trabalha em soluções inovadoras e de digitalização (LAB LPC), projeto em parceria com profissionais especializados em digitalização da Scania, cujo o objetivo é compartilhar insights e colaborar para a transformação de dados em insumos para os negócios ou para a otimização das operações; 
  • Usa empilhadeiras elétricas movidas a íon-lítio, aumentando a produtividade com segurança e proporcionando mais ergonomia aos operadores; 
  • Eliminou em 2022 o uso de Gás GLP; 
  • Adota a remanufatura de peças usadas que voltam e passam por um processo de triagem. Se aprovadas, são reformadas e retornam ao mercado com a mesma qualidade Scania. Tudo pensado para contribuir com a sustentabilidade do negócio, desde a redução de resíduos até a reciclagem de paletes e embalagens.  

LPC em números 

 Entrada 

  • 60% de peças importadas = 7 a 8 contêineres/semanalmente. 
  • 25% de peças nacionais. 
  • 15% de peças SBC. 
  • 200 fornecedores locais. 

Saída 

  • Peso despachado: mais de 1.000 toneladas por mês. 

Nacional: 560 toneladas. 

Exportação: 440 toneladas. 

  • Linhas faturadas: 5.500 linhas faturadas por dia. 
  • 20 Despachos por dia. 
  • 180 pontos de atendimento no país. 
  • 7 unidades de negócios na América Latina. 
Continue Reading
Click to comment

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Leia também