Connect with us

Mecanica Online

Seu próximo carro será eletrificado e não elétrico. Entenda a diferença

Published

on

Fala pessoal, tudo bem? O veículo elétrico vai se tornar uma realidade, principalmente, lá fora. Pelo lado de cá precisamos ter resistência, pois o nosso etanol entrega níveis de emissões similares aos elétricos de lá, mas com a vantagem de ser um combustível renovável.

Essa história de elétrico com emissão zero é muito mais complexa do que parece. Sem emissão de poluentes no escape, tudo bem, mas no processo de fabricação e obtenção dos materiais, o desenvolvimento precisa de muitos tratamentos e participação de materiais finitos. É deixar de poluir aqui para poluir em outro lugar, entendeu a mágica?

Por isso seu próximo veículo deve ser eletrificado e não elétrico, ou seja, já terá uma participação elétrica, que vai trabalhar com o motor de combustão interna, esse que já conhecemos tão bem, na busca pela melhor eficiência energética e principalmente, redução nas emissões.

Algumas marcas anunciam seu direcionamento para o mercado brasileiro. A Stellantis apresentou três bases híbridas e uma elétrica e já lança modelos na América do Sul no próximo ano. A marca vai apostar na hibridização com etanol durante essa fase de transição até os elétricos, o que deve durar de 10 a 15 anos.

“O Bio-Hybrid faz parte da rota tecnológica da mobilidade acessível e sustentável adotada pela Stellantis. Queremos potencializar as virtudes do etanol, como combustível renovável, cujo ciclo de produção absorve a maior parte de suas emissões, combinando a propulsão à base do biocombustível com sistemas elétricos”, afirmou Antonio Filosa, presidente da Stellantis para América do Sul, que destacou também os ganhos de eficiência e economia de combustível trazidos pelos sistemas de propulsão elétrica.

A Volkswagen também vai apresentar soluções híbridas – combinando sua motorização turbo com hibridização leve a etanol.

Sistemas com bateria de 48 Volts no lugar do alternador atuam na fase de partida do veículo – os primeiros dois minutos de funcionamento de um automóvel é a fase mais crítica na emissão de poluentes, por isso a importância dessas alternativas.

Na continuidade o veículo consegue reduzir bastante as emissões e o consumo, vai ultrapassar a marca de 20 km/l, bom também para seu bolso, não é mesmo?

O consumidor deve atentar ao preço dessa transição. Enquanto algumas marcas estão planejando essa fase com a participação brasileira, do nosso etanol e principalmente, da nossa engenharia, outras estão reduzindo nossa integração e trazendo seus veículos elétricos para vender por aqui, diretamente, caros, sem a infraestrutura necessária ainda disponível e correndo o risco de tornar essa oportunidade frustrante ao consumidor.

E para quem ainda duvida dos veículos elétricos, na China, foram necessários 14 anos para a indústria nacional atingir a marca de 10 milhões de veículos de energia limpa (no escape) e menos de 18 meses para dobrar esse número e chegar aos 20 milhões de veículos produzidos.

Tarcisio Dias – Profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista. Desenvolve o site Mecânica Online® (mecanicaonline.com.br) e sua exclusiva área de cursos sobre mecânica na internet (cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

Continue Reading
Click to comment

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Leia também