Final Lap – Há 30 anos e com atuação épica, Senna se sagrava campeão na F-1

Antonio Munró Filho

Há 30 anos, Ayrton Senna se sagrava campeão mundial de Fórmula-1. Aquele Grande Prêmio do Japão, realizado no dia 30 de outubro de 1988, apenas confirmou o que fãs e a mídia especializada esperava desde que o icônico capacete amarelo despontou na principal categoria, quatro anos antes. Se muitos “já sabiam” que o triunfo viria, ninguém imaginava que a conquista seria obtida com certa dose de drama e com requintes de genialidade.

Primeiro no grid, Senna viu o McLaren de número 12 engasgar em plena largada, fazendo com que o maior rival e companheiro de equipe, o francês Alain Prost, disparasse na ponta, sendo seguido por uma legião de carros que deixaram o brasileiro na distante 15ª posição ao final da primeira volta. Ayrton, no entanto, foi mais Senna do que nunca. Para muitos, o público que acompanhou a corrida em Suzuka testemunhou a maior atuação do brasileiro. Certamente uma corrida épica!

Durante as 51 voltas da corrida, Senna, que não tinha feito 12 pole-positions e obtido outras 7 vitórias no campeonato à toa, usou toda a potência do icônico motor Honda, que empurrou a equipe McLaren para impressionantes 15 vitórias em 16 corridas na temporada de 1988. Como gênio que foi, Senna foi passando, um a um, os 13 concorrentes que o separavam de Prost, na liderança. Quando chegou à segunda posição, a distância do francês para o brasileiro era considerável. Mas aí, veio uma rápida chuva, que foi o suficiente para fazer com que Senna, talvez o melhor piloto debaixo de água que a categoria já viu, crescesse no retrovisor de Prost. Foi com pista seca que Senna ultrapassou o francês e entrou para a galeria de honra dos campeões do mundo!

Aos 28 anos, Senna se tornou o terceiro piloto brasileiro a figurar no panteão dos grandes nomes da Fórmula-1. O fato curioso da conquista de Senna, no entanto, fica a cargo da tabela de classificação: ele fez menos pontos totais do que Prost, mas a regra vigente em 1988 descartava a melhor e a pior pontuação da soma final. Assim, com uma temporada mais regular, Senna fechou o ano no topo do pódio, com um total de 8 vitórias numa única temporada (um recorde quebrado por Michael Schumacher e, posteriormente, igualado por Sebastian Vettel, de 13 vitórias).

Deixe uma resposta