Final Lap – Há 30 anos e com atuação épica, Senna se sagrava campeão na F-1

Antonio Munró Filho

Há 30 anos, Ayrton Senna se sagrava campeão mundial de Fórmula-1. Aquele Grande Prêmio do Japão, realizado no dia 30 de outubro de 1988, apenas confirmou o que fãs e a mídia especializada esperava desde que o icônico capacete amarelo despontou na principal categoria, quatro anos antes. Se muitos “já sabiam” que o triunfo viria, ninguém imaginava que a conquista seria obtida com certa dose de drama e com requintes de genialidade.

Primeiro no grid, Senna viu o McLaren de número 12 engasgar em plena largada, fazendo com que o maior rival e companheiro de equipe, o francês Alain Prost, disparasse na ponta, sendo seguido por uma legião de carros que deixaram o brasileiro na distante 15ª posição ao final da primeira volta. Ayrton, no entanto, foi mais Senna do que nunca. Para muitos, o público que acompanhou a corrida em Suzuka testemunhou a maior atuação do brasileiro. Certamente uma corrida épica!

Durante as 51 voltas da corrida, Senna, que não tinha feito 12 pole-positions e obtido outras 7 vitórias no campeonato à toa, usou toda a potência do icônico motor Honda, que empurrou a equipe McLaren para impressionantes 15 vitórias em 16 corridas na temporada de 1988. Como gênio que foi, Senna foi passando, um a um, os 13 concorrentes que o separavam de Prost, na liderança. Quando chegou à segunda posição, a distância do francês para o brasileiro era considerável. Mas aí, veio uma rápida chuva, que foi o suficiente para fazer com que Senna, talvez o melhor piloto debaixo de água que a categoria já viu, crescesse no retrovisor de Prost. Foi com pista seca que Senna ultrapassou o francês e entrou para a galeria de honra dos campeões do mundo!

Aos 28 anos, Senna se tornou o terceiro piloto brasileiro a figurar no panteão dos grandes nomes da Fórmula-1. O fato curioso da conquista de Senna, no entanto, fica a cargo da tabela de classificação: ele fez menos pontos totais do que Prost, mas a regra vigente em 1988 descartava a melhor e a pior pontuação da soma final. Assim, com uma temporada mais regular, Senna fechou o ano no topo do pódio, com um total de 8 vitórias numa única temporada (um recorde quebrado por Michael Schumacher e, posteriormente, igualado por Sebastian Vettel, de 13 vitórias).

Leia mais

Na F-1, filho de peixe, peixinho não é… Por Antonio Munró Filho Depois da vitória do holandês Max Verstappen no GP da Malásia, realizado no último domingo, ficou mais claro do que nunca que na F-1, o provérbio filho de peixe, peixinho é, não se confirma! No caso de Max, a lógica é perversamente inversa, pois o filho apresenta todos os at...
Grandes pilotos também jogaram campeonatos fora... Por Antonio Munró Filho Entra e sai temporada, por mais rápidos e tecnológicos que os bólidos sejam, aquela famosa peça que fica entre o cockpit e o volante, vulgarmente chamada de piloto, consegue realizar “proezas” de arrepiar os incautos. Quem esperaria uma burrada como a cometida por Sebastian ...
Fujiro Nakombi? Não, seu nome era Satoru Nakajima!... Por Antonio Munró Filho Na semana em que o mundo celebrou a primeira vitória de um japonês nas 500 Milhas de Indianápolis, o feito do simpático Takuma Sato me levou de volta aos anos 1980 e me fez rever o meu grande “ídolo” oriental das pistas: Satoru Nakajima. Companheiro de Ayrton Senna e de Nels...
Quem diria, vem aí a McLaren Renault! Por Antonio Munró Filho Em 1991 tive a oportunidade de assistir pela TV uma das temporadas mais quentes da F-1. A disputa acirrada entre a McLaren Honda e a Williams Renault fez com que Ayrton Senna e Nigel Mansell, respectivamente, protagonizassem duelos inesquecíveis. Lembro que a rivalidade entr...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *