Autos Giros com Nissan Kicks 1.6 S manual 2019

Versão de entrada do SUV é a única sem câmbio CVT, Contudo, ela também acaba comprovando que as qualidades do modelo vão muito além

Daniel Jacques

Talvez muitos não saibam, mas o Nissan Kicks é um dos responsáveis pela rápida popularização do câmbio CVT no Brasil. Apresentado como um dos grandes diferenciais do modelo quando lançado por aqui em 2016, o equipamento logo fez do SUV – então produzido no México mas desde 2017 fabricado em Resende (RJ) – um dos líderes e um dos carros mais desejados do mercado nacional.

A linha do modelo, contudo, também traz uma versão de entrada com câmbio manual de cinco marchas. Como é um modelo que tem a tecnologia e a sofisticação como característica – inclusive pela câmera 360º, disponível apenas na versão topo SL – ficaria a pergunta: o quanto ele “perde” sem o câmbio CVT? Será que o motor mantém a eficiência e o conforto?

Nissan Kicks S tem câmbio manual de cinco marchas. Foto: Daniel Jacques/Autos Giros

Pois a resposta da segunda pergunta é sim. O câmbio manual de cinco marchas que equipa a versão de entrada S – testada recentemente pelo Autos Giros – garante trocas muito suaves e mantém a eficiência do propulsor 1.6 de 114 cv e 15,5 kgfm de torque (o mesmo, aliás, de todas as versões). Como se diz, ele fica até mais “divertido” pois a troca de marchas permite ao motorista um controle ainda melhor da potência e respostas do motor.

E, mudando a transmissão, sempre fica a dúvida. Como o consumo se comportou? No teste feito pelo Autos Giros, a média de consumo, incluindo cidade, estrada e serra, ficou em 13,5 km/l, tendo chegado a média de 15,3 km/l na estrada plana e média de 9,3 km/l na cidade.

Um carro completo, mesmo básico

Diferente do que acontece com muitos modelos do mesmo segmento ou de outros, as diferenças de equipamento e acabamento entre o Nissan Kicks S e seus “irmãos” equipados com transmissão CVT não fazem dele um carro “incompleto”. Até porque os bancos dianteiros zero gravity, por exemplo, também estão presentes e garantem alto conforto tanto para motorista quanto para o carona.

E isso é ampliado pelo volante multifuncional com direção elétrica e ajuste de altura e profundidade, que traz ao condutor a praticidade de controlar o computador de bordo, o sistema multimídia e o telefone (pareado por bluetooth) sem perder atenção. Além disso o ar-condicionado também é rápido na mudança de temperatura.

A versão testada tinha também o sistema de controle de estabilidade e tração – opcionais da versão. Além disso ele conta com freios ABS com controle eletrônico de frenagem (EBD) e assistência de frenagem (BA), sistemas de partida a frio e partida em rampa (opcional), sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis, rádio com conector USB e Bluetooth, airbags duplos frontais e um belo acabamento de tecido nos bancos e em detalhes das portas.

O computador de bordo traz ainda indicador de troca de marchas, o que pode ajudar ainda mais no consumo e na eficiência do motor 1.6. Além do conforto, o motorista tem ao alcance da mão todos os comandos necessários, como os tradicionais controle dos retrovisores, travas de portas e janelas e acionamento ou desligamento do controle de estabilidade.

Um ponto positivo da organização dos comandos são as alavancas de abertura do tanque e do capô estão juntos, no canto inferior esquerdo do painel. A versão básica do SUV também traz desembaçador e limpador do vidro traseiro.

Design diferenciado o torna belo mesmo na cor branca

Outro aspecto que chama a atenção é que, graças ao seu design ao mesmo tempo esportivo e moderno, o carro é muito bonito, a ponto de chamar a atenção, mesmo na cor branca perolizada. Alguns detalhes do design ajudam nisso, é claro. Entre eles, a grade dianteira com acabamento cromado, as rodas de 16 polegadas, e os retrovisores e maçanetas externas na cor do veículo.

O rack de teto Thule com barras na cor prata, ressalta o perfil “esportivo”, que também ganha “peso” pela linha de cintura lateral, que começa perto da caixa da roda dianteira, cruza as duas maçanetas em uma linha ascendente e termina integrada com o design diferenciado das lanternas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As portas, aliás, têm formatos diferentes, sendo a dianteira bastante “tradicional” e a traseira mais “recortada”, embaixo pela segunda caixa de roda, mas também no alto.

Nissan Kicks S. Foto: Daniel Jacques/Autos Giros

Ainda na lateral, e também ajudando a fazer do Kicks um carro “branco e bonito”, ele traz, nesta versão, teto na cor do veículo, mas abaixo dele uma “área preta” envolve o para-brisa dianteiro e “envolve” as janelas dianteiras. Ele “diminui” com a parte final das janelas traseiras até virar uma “faixa” curta ao “virar” para a parte de trás a faixa volta a aumentar para envolver o vidro traseiro. Na “virada”, a lanterna “segura” a traseira alta com aerofólio no topo. A lanterna, aliás, é dividida pela tampa do porta-malas de 432 litros e boa distribuição de espaço.

Uma opção diferenciada em SUVs com câmbio manual

Com tudo isso, a resposta da primeira pergunta (O quanto a versão manual “perde” sem o câmbio CVT?) é: praticamente nada. Além do sistema multimídia com a câmera 360º ele também não traz sensores de estacionamento nem câmera, acabamento em couro, faróis de neblina.

O que torna o “pacote básico” ainda mais atrativo é o preço, na casa dos R$ 72.000, o deixa com certa folga em relação a seus principais concorrentes – mesmo nas versões iniciais. Além disso, o modelo da Nissan já vem com um nível de conforto alto, transmissão manual suave e motor eficiente, com média geral de 13,5 km/l.

Carro oficial dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, o SUV da Nissan mostra que continua preparado para disputar a medalha de ouro em todas as categorias.

Ficha técnica: Nissan Kicks S 2018


Motor/Performance

Motorização: 1.6 16 válvulas
Potência: 114 cv @ 5.600 rpm Torque: 15,5 kgfm @ 4000 rpm
Velocidade Máxima (Km/h): 193 0-100 km/h (s):  12,2
Consumo cidade (km/l): 9,3 Consumo estrada (km/l): 15,3

Dimensões

Altura (mm): 1590 Largura (mm): 1760
Comprimento (mm): 4295 Entre-eixos (mm): 2620
Tanque (L): 41 Porta-malas (L): 432
Pneus: 205/60 R17 Rodas: Liga leve de 17 polegadas

Mecânica

Transmissão: Manual de cinco marchas
Tração: Dianteira
Direção: Elétrica com assistência variável
Suspensão dianteira: Independente, tipo McPherson, com barra estabilizadora
Suspensão traseira: Eixo de torção
Freios dianteiros:Discos ventilados com ABS e EBD
Freios traseiros:Tambores com ABS e EBD

Preço: A partir de R$ 73.990

Leia mais

Autos Giros com o Nissan Kicks SL 2018 Confira a avaliação completa do novo Nissan Kicks SL 2018, o primeiro "made in Brazil" Daniel Jacques O Nissan Kicks é o primeiro carro avaliado pelo Autos Giros por dois anos consecutivos. Quando lançado, em 2016, o SUV era produzido no México especialmente para o mercado brasileiro. Desde o iníc...
Autos Giros com o Lifan X60 Talent 2018 Visual renovado, bom acabamento e custo-benefício são alguns dos diferenciais do Lifan X60 2018 na briga dos SUVs Daniel Jacques* Carro chefe da Lifan no mercado brasileiro, o SUV compacto XC60 é o veículo chinês mais vendido do país desde 2014. Disponível em duas versões, Talent (transmissão manu...
Nissan Kicks nacional ganha novas versões, cores e... A versão SL, até então importada do México, também traz novidades no novo Nissan Kicks nacional A tão esperada produção do Nissan Kicks nacional começou. Com ela, o modelo ganha muitas novidades, como novas versões, novas cores e equipamentos inéditos no seu segmento. Com a chegada da nova versão...
Autos Giros com o Nissan Kicks 2017 O Autos Giros teve a oportunidade de testar o Nissan Kicks SL, carro oficial dos Jogos Olímpicos Rio 2016 Por Daniel Jacques O lançamento do Nissan Kicks, no ano passado, foi cercado de muita expectativa. Primeiro por que a Nissan fez uma forte campanha de pré-divulgação e apostava muito no modelo...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *