De carro por aí | Roda-a-Roda

Referência – Herbert Diess, presidente da marca Volkswagen, na apresentação dos resultados financeiros da espanhola Seat, sua controlada, saiu-se com comparativo curioso: com a entrada no mercado chinês, quer ve-la como a Alfa Romeo, começando por elevar preços. Alfa hoje é comparável às versões S da linha Audi, os mais caros dos sedãs VW.

? – Diess nominou as características da Alfa, e disse que o crescimento e margem econômica da Seat superam a marca italiana.

Pretensão – Nenhuma outra marca tem tanta história e tradição no emblema como a Alfa, e a comparação parece graça sem graça. Há quem lembre, Luca De Meo, presidente da Seat, era Menino de Ouro na então Fiat, e de lá foi saído por Sergio Marchionne, capo de tutti capi é à época número 1 da marca. Comparação presunçosa parece provocação póstuma.

Suzuki especial Desert. Deveria ter outro nome…


Mais – Suzuki criou série especial do seu jipinho Jimny. Chama-a Desert e não é identificada por adesivos, rodas coloridas, bobagens afins, usuais características de fugazes edições.

Bom trabalho – Aumento em 68mm da altura livre do solo, pneus maiores, 215x75x15, chapas protetoras para a mecânica inferior – caixa de transferência, braços da suspensão, amortecedores, além de equipamento com mais função visual e menos prática, o Snorkel.

O que – Leitor deve saber, uma trapizonga nascendo ao nível do teto, descendo, e trepanando o cofre do motor, como se o motorista fosse circular submerso a 2m. Coisa para enganar mãe de moça mas, sem trocadilho, neste deserto de veículos sem habilidades extras e apenas penduricalhos em hatches metidos a SAVs e estes querendo ser vistos como SUVs, fará a maior presença.

O Que – Pintado em Bege Jizan é dita como inspirada nas areias do deserto, mas Jizan é cidade à beira mar, próxima ao Yemen -, grade e faróis com acabamento cor grafite. Sua ótima capacidade off-road – para a Coluna é a melhor equação na proposta – foi implementada. 100 unidades.

Porém – Visto o preço, R$ 86 mil, mereceria denominação japonesa: Takaro.

Mais um – GM apresentou versão automática de seu sedã Cobalt. Tracionada pelo motor 1,8 L4, completa-o com direção eletricamente assistida e o multimídia MyLink. Foca clientes dentre os submetidos às agruras do trânsito brasileiro e PCD, Pessoas com Deficiência, contempladas com desconto no IPI.

Caminho – Poderia ter lançado antes, mas optou adotar a Teoria da Manada, aguardando outros fabricantes tomar a iniciativa para, então, segui-los.

Retorno – Fim das cotas de importação baixadas pela legislação do programa Inovar Auto acelera negócios dos importadores. Kia, maior deles, cresceu 46,3% relativamente ao primeiro semestre de 1967. Na prática licenciou 6.899 unidades, entre SUV Sportage e sedã Cerato. Média do mercado foi 14,1%.


Sportage, mais vendido da Kia


Traço – Agregação à Aliança Renault-Nissan dá impulso à divisão automobilística da Mitsubishi. Empresa cooptou Alessandro Dambrosio, ex-designer chefe da Alfa Romeo. Quer dar traço, vigor, identidade visual a uma das marcas mais mal identificadas no setor.

Pré – Dambrosio participou dos projetos Alfa 159, Giulietta, Mito. Após, na Volkswagen, chamado pelo seu ex-chefe Walter 156 De Silva, trabalhou nos recentes Audi A4/A5; TT Sportback Concept e no SUV Bentley Bentaiga.

Situação – Designer-chefe é oportunidade de ouro a profissional do lápis deixar a marca de seu talento. Não são empregos efêmeros. Normalmente o escolhido cria as formas e personaliza os produtos por, pelo menos, duas gerações de veículos.

Opção – Aparentemente a parte nipônica da Aliança necessita socorro e apoio em estilo.  Nissan foi busca-los na Casa Pininfarina para acertar seu performático 370 Z, e  precisa fazer trabalho em todos os seus produtos -, indistintamente ruins em estilo. Mitsubishi acertou-se com o italiano ex-Alfa.

Confiança – Longo e cheio de percalços em seu curso no âmbito dos ministérios da Indústria e Comércio, Planejamento e Fazenda, projeto Rota 2030 foi enviado ao Congresso para apreciação. Traça a regra de incentivos para a indústria de veículos e autopeças.

Correções – No Legislativo, esperadas intervenções das fabricantes, montadoras e importadoras relativamente ao percentual de compensações nos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, aparentemente terá curso curto.

Vaticínio – Raciocínio está em declaração do Presidente Temer, no congresso da Fenabrave,  entidade dos revendedores de veículos, terça-feira passada. Lá, turbinado por surpreendentes aplausos, declarou assinará a Lei à abertura do Salão do Automóvel, novembro. Aparentemente combinou com os russos legisladores.

Ar – Fábricas de automóveis buscam independer de energia elétrica cara, produzido por hidroelétricas ou termogeradores. No Brasil Volkswagen tem duas represas gerando energia; Honda um parque de geradores eólicos. Toyota Argentina vai pelo mesmo caminho: acertou com a petroleira estatal YPF geração de energia elétrica produzida por geradores eólicos.

Mit 20 – De uma aposta no futuro, em município distante do centro produtor de auto peças, mas próximo ao mercado de seu produto, os picapes 4×4, em 20 anos a Mitsubishi marcou sua história em Catalão, Go.

Vai – Nasceu com 14.000 m2 de área coberta e, em 20 anos, chegou a  quase 20 vezes mais. Registro insólito, no meio de Goiás a empresa tem uma das três mais modernas instalações de pintura no Brasil.

Gabarito – Das muitas conquistas, o transformar o picape diesel em objeto-ícone de consumo; de ter sido pioneira no uso de turbo nos Mitsubishi; de dar morfologia aos picapes: diesel, cabine dupla, tração nas 4 rodas.

Saída – Para enfrentar o tabelamento dos fretes – e a impossibilidade de negociar -, a GM pensa em ter frota própria de caminhões, tanto para recolher autopeças quanto para transportar carros O Km. A greve dos caminhoneiros e a incapacidade do governo em peitar e resolver, ficando refém da categoria, dá em excrescências como esta.

Respeito – Governo inglês quer incrementar o uso de combustível E10 – gasolina com 10% de etanol. Mas em respeito ao 1,8M de veículos pré 1970 existente no país, e para os quais considera a mistura incompatível, mante-la-á disponível até 2020.

Aqui – Ao contrário da respeitosa elegância inglesa, aqui, reflexo da maneira impositiva dos governos militares e seus sucessores, somada à leniência brasileira, a gasolina vem misturada com tão elevada quanto desconhecida quantidade de álcool, e o governo nada pergunta sobre adequabilidade ou fazer danos nos veículos, novos ou antigos.

Imprensa  – Jeremy Clarkson, polêmico jornalista, brilhante em comparações, hábil utilizador de adjetivos, em sua coluna mensal na revista Quatro Rodas carrega de elogios a caçamba do picape Toyota, mas critica a substituição de um comando mecânico por botões e eletrônica para acionar tração nas 4 rodas e reduzida.

Também – Coluna tem criticado os fabricantes por isto. Serviço duro não permite as dúvidas do uso de complicações elétricas e eletrônicas. Botãozinho não é coisa séria ou confiável, mas boiolo-feminina.

Utilidade – Mesma revista porta pequeno encarte patrocinado pela Fiat, o Guia do Test-Drive Perfeito, aulas sobre como avaliar veículos. Didático, interessante, sem indicar seus carros, mas demonstrando claramente as novas qualidades dos novos Fiat.

Araxá – Renault confirmou e avisa de seu patrocínio ao Brazil Classics Renault Show 2018, mais conhecido como Encontro de Araxá, onde realizado. Mais elegante dentre os pululantes e descoordenados eventos antigomobilísticos no Brasil, ocorrerá entre os dias  05 a 09, setembro, feriado. Patrocínio faz parte das comemorações dos 120 anos da marca. Gracioso.


Brazil Classics Renault Show 2018


Autoclasica – Sequência de qualidade, depois do mais elegante evento antigomobilístico brasileiro, será a vez dos argentinos com o Autoclasica. É o maior dentre os da América Latina, ocorrendo entre 12 e 15 de outubro em San Isidro, vizinha a Buenos Aires.

– Brasileiros não expõem, mas comparecem aos milhares. Entrada a 300 pesos – uns R$  41,02. Para o dia 12, promoção: dois tíquetes por 350 pesos – circa R$ 47,85.


Cartaz da Autoclasica


Gente – Fernão Silveira, comunicólogo, deixou a Ford após um ano de serviço. OOOO Jornalistas do setor, incontidos em rótulos e carimbos, dizem-no o fugaz. OOOO

Leia mais

Autoclasica. Bugatti Type 57 Atalante, o Best of S... Mais relevante dos encontros sul americanos de automóveis antigos, o Autoclasica em 17ª edição registrou recordista participação de quase 1.000 veículos e arranhou 50.000 visitantes. Foi o mais movimentado da sequencia do evento. A rara carroceria do também raro Bugatti foi moldada manualmente pe...
De carro por aí | O novo Jetta Em sétima geração, o Jetta, sedã desenvolvido sobre a plataforma do Golf, junta o melhor dos mundos: base de qualidade; quatro portas; elegante; motor 1,4 turbo com injeção direta de combustível feito no Brasil; produção no México e importação livre de impostos. Constitui-se num dos bons soldados pa...
De carro por aí | Araxá, a grande festa do automóv... O Brazil Classics Renault Show, realizado em Araxá, MG, no recente feriado de 7 de setembro manteve o adequado rótulo de mais elegante dos encontros de veículos antigos no País. Foi grande o esforço para viabilizá-lo e exigiu capacidade de improvisar, resolver, re-inventar-se. Superou dificuldades, ...
De carro por aí | Enfim a racionalidade: fim do es... Ford iniciou fazer os EcoSport sem o estepe pendurado na porta traseira. Já o faz no exterior em sua pioneira função de carro brasileiro produzido em vários outros lugares do mundo. Entretanto no Brasil, pesquisas indicaram desejos dos consumidores em ter tal pedúnculo atracado externamente na tampa...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *