Dias de Fórmula 1 | Hamilton vence o GP da Hungria e folga na liderança antes das férias

Daniel Dias

Daniel Dias

www.diasaovolante.com

O inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, venceu o GP da Hungria no sábado, ao aproveitar a chuva que caiu na terceira parte do treino de classificação e conquistar a pole position da décima segunda etapa do Mundial de Fórmula-1. Não só por ter conseguido a primeira posição para a largada mas principalmente por ter tirado as chances da Ferrari em uma pista amplamente favorável ao carro da equipe italiana em comparação às Flechas de Prata. Para o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, sobrou ter de arriscar alguma coisa diferente para a corrida, disputada no domingo com pista seca. Para isso, o tetracampeão foi o único dos pilotos da frente do pelotão a partir com pneus macios (os amarelos), para permanecer mais tempo na pista antes da parada de box.

A estratégia só não teve sucesso total porque a Ferrari atrasou a troca do pneu dianteiro esquerdo e Vettel voltou atrás do finlandês Valtteri Bottas, da Mercedes, o segundo colocado. E Vettel ficou preso quase até o final da prova, quando partiu decisivamente sobre o segundo piloto da Mercedes na retinha depois da curva 1 de Hungaroring, conseguindo a ultrapassagem. Perfeito como escudeiro de Hamilton na Hungria até então, Bottas foi bandido ao não admitir a passagem do piloto da Ferrari e bater na traseira do carro de número 5 na freada da curva 2. Felizmente, o dano ficou só para o finlandês, que teve parte do bico avariado, perdendo lugar também para o outro finlandês, Kimi Raikkonen, da Ferrari.

Poucas voltas adiante, Bottas faria coisa ainda mais feia, colidindo, aparentemente de propósito, com o australiano Daniel Ricciardo, da Red Bull, na curva 1. O australiano – que fez uma bela prova de recuperação, pois não passou do Q2 da classificação por ter colocado os pneus para chuva muito tarde -, saiu da pista. Com isso, a direção de prova colocou Bottas sob investigação, decidindo por aplicar uma punição de acréscimo de 10 segundos no tempo final do piloto finlandês. Antes da bandeira, Ricciardo conseguiu superar Bottas, terminando em quarto.

Líder do campeonato agora com uma vantagem de 24 pontos sobre Vettel, Hamilton fez uma prova perfeita em Hungaroring. Mesmo se o rival alemão não tivesse perdido tempo com Bottas, o inglês teria vencido. Um fato estranho ocorreu com a “entrada” do sempre polêmico safety car virtual – devido à parada do belga Stoffel Vandoorne, da McLaren, em local perigoso. Naquele instante, Hamilton tinha uma vantagem em torno de 10 segundos em cima de Bottas. Na volta seguinte, essa diferença foi para 19 segundos, comprovando que não é possível controlar o ritmo dos pilotos sob intervenção do safety car virtual. De qualquer jeito, isso não mudaria o resultado final da prova e nem daria uma punição para Hamilton porque é quase impossível de os comissários de pista fiscalizarem o ritmo dos carros com o safety car virtual “no ar”.

Embora as duas manobras de Bottas tenham sido feias, serviram para animar um pouco uma corrida extremamente chata, como são a maioria das provas disputadas no supertravado e irritante circuito de Hungaroring. De tão trancada, a pista permitiu que Raikkonen – com duas paradas para troca de pneus – ainda tivesse tempo para lutar por um lugar no pódio contra o companheiro Vettel e o finlandês da Mercedes.

A F-1 pára agora por três semanas nas férias do verão europeu e retorna com o GP da Bélgica, no espetacular Spa-Francorchamps, dia 26 de agosto. Hamilton mostrou toda a sua alegria e seu alívio após descer do carro no domingo, na sua quinta vitória na temporada, uma a mais que Vettel:

– Foi um dia perfeito, com um grande carro nas mãos. Vou agora procurar uma praia para curtir sossegado estas três semanas de folga. Nem quero pensar em F-1 nesse tempo.

Resignado com a perda da pole e as condições mais favoráveis para tentar diminuir a diferença para Hamilton no campeonato, Vettel ficou satisfeito com o segundo lugar.

– Era o máximo que poderíamos ter conseguido com o lugar que largamos (quarto). Tentamos fazer uma coisa diferente com os pneus, mas ainda tivemos um probleminha no pit stop. No entanto, mesmo se não tivéssemos esse atraso, não daria para ter buscado o Lewis na corrida.

Deixe uma resposta