Que nota o seu carro merece?

Quando eu era repórter do extinto caderno Carro&Cia, da Folha de Londrina, mantinha uma sessão chamada “Teste do Leitor”. Eu saía às ruas e pedia a algum motorista que avaliasse rapidamente seu veículo com uma nota de 1 a 10, justificando o porquê. No dia seguinte, a avaliação era publicada em um pequeno espaço da página.

As notas 8, 9 e 10 eram frequentes, fossem para Palios ou Evoques. As justificativas, em grande parte, comuns: “Ele me leva para onde eu quero”. Pois eu me vi na condição de um dos meus leitores durante o curso de Jornalismo Automotivo que frequentei em São Paulo, nos dois últimos sábados.

Incitada pelo palestrante – o grande Sérgio Quintanilha, da revista Motor Show – a avaliar meu Renault Duster Dynamique 2014, de pronto cravei-lhe uma nota 7. Depois, de posse de uma lista com critérios técnicos, semelhantes aos utilizados pelas revistas especializadas, vi minha nota inicial cair para um triste 5,2.

A lista recebida me levou a analisar criteriosamente pontos como motor, câmbio, desempenho, multimídia, segurança, entre outros. Conjunto mecânico e desempenho fizeram meu Duster despencar ladeira abaixo. Outros colegas de curso viram o mesmo acontecer com seus Palios, HB20s e Agiles.

O objetivo da atividade era mostrar que avaliações profissionais, feitas por jornalistas especializados, não podem seguir critérios subjetivos, e sim, respeitar critérios técnicos.

Emocional

A verdade é que minha nota inicial só foi 7 porque acompanho o setor automotivo e entendo um pouco de carro; fosse cinco anos atrás, eu teria dado um 9 ou 10. O teste me levou a pensar sobre o quão cheia de subjetividade e emoção são essas avaliações (e nossa relação com nossos carros, de uma forma geral).

Embora eu saiba de todos os pontos positivos do meu Duster – como o amplo espaço interno, o porta-malas suficiente para toda a bagagem do meu filho e o bom navegador – também sei de suas carências – alto nível de ruído interno, baixo torque, ausência de itens de segurança, como isofix. Toda vez que o Sol reflete no MediaNav (multimídia) e impede a visibilidade eu me lembro de como ele é mal posicionado. Ainda assim, tenho uma relação emocional com meu carro.

O carro perfeito

E qual seria, então, o carro perfeito, segundo os critérios técnicos? Ele possivelmente não existe, mas um dos citados no curso como parâmetro a ser almejado foi o Audi R8, superesportivo equipado com motor 5.2 de 610 cv em sua versão Coupé V10 Plus.

Além de lindo, este Audi R8 faz de 0 a 100 km/h em cerca de 3,2 segundos, um foguete perto dos 13 segundos do meu Duster. Mas ele tem só 112 litros de porta-malas (não cabe nem o cadeirão de papá do meu filho) e é beberrão (esportivo, né?), faz cerca de 5,2 km/l com um litro de gasolina. E o parâmetro final: custa mais de R$ 1 milhão.

Sendo assim, eu não terei um Audi R8 para me levar aonde eu quero, então, pensando bem, eu devia mesmo era ter dado um 10 para o meu Duster…

*Quer brincar um pouco? A partir das tabelas abaixo avalie seu carro segundo critérios técnicos. Depois poste a nota dele aqui nos comentários!

Leia mais

O bom momento da Aliança Renault-Nissan no Brasil Por Cecília França Renault e Nissan mantêm uma aliança estratégica desde 1999. No Brasil, a francesa está comemorando 20 anos de presença enquanto a japonesa opera desde os anos 2000. Nestas quase duas décadas em solo tupiniquim, podemos dizer que, em 2018, as duas marcas vivem seu melhor momento. ...
Vamos falar de renovação… na indústria autom... Por Cecília França A Fiat acaba de aposentar o Palio. O compacto que fez história na indústria nacional sai de linha para dar lugar aos recém-lançados Mobi, Argo e Cronos. Aconteceu com o Uno Mille, cinco anos atrás, e com outros carros importantes de outras marcas, como Corsa e Celta, da GM, e a p...
Estamos comprando menos carros, porém mais caros Na semana passada eu conversava com o gerente de uma concessionária em Londrina (PR) e ele me revelou um dado interessante sobre o mercado local. O ticket médio na loja dele (representante de uma das quatro maiores marcas do mercado) subiu de R$ 42 mil para R$ 54 mil nos últimos quatro anos, ou seja...
Acabou a paz no reino dos sedans compactos "Cobalto e City viviam tranquilos em seu pequeno reino, de nome Compacto, no País dos Sedans. Donos de 96% das terras, eram cercados por seres menores, com quem conviviam pacificamente. Porém, um belo dia chegou ao reino um ser identificado como Virtude, empunhando uma arma estranha, chamada turboco...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *