Vamos falar de renovação… na indústria automobilística

Por Cecília França

Fiat acaba de aposentar o Palio. O compacto que fez história na indústria nacional sai de linha para dar lugar aos recém-lançados Mobi, Argo e Cronos. Aconteceu com o Uno Mille, cinco anos atrás, e com outros carros importantes de outras marcas, como Corsa e Celta, da GM, e a própria Kombi, ícone da VW. É o ciclo de renovação da indústria.

O Palio trouxe novidades para o mercado na época de seu lançamento, como os airbags frontais, hoje obrigatórios. Ele nasceu em 1996 para ser o anti-Gol, o antagonista do líder de mercado. Mas demorou para o Palio atingir a liderança. Foi só em 2014, por poucas unidades, muito mais pela queda do Gol do que por aumento nas vendas. No ano seguinte, já iniciou-se o reinado do Onix.

Gol – que liderou o mercado por 26 anos – não só ainda existe como chegou a recuperar participação de mercado e se aproximar novamente da liderança, após a aposta da VW no up! como carro de entrada ter dado errado. Aconteceu justamente em 2014, quando o subcompacto foi lançado com honras de “novo Fusca” e o Gol G4 foi aposentado. Mas o up! não pegou e o Gol perdeu a liderança no ranking de vendas.

O Gol existe desde 1980, mas nasceu bem diferente: era quadrado. Apenas em 1994, com a segunda geração, assumiu o design “bolinha”, mais próximo do que é hoje. Dentre seus méritos, ele foi o primeiro carro popular flex do País.

No início dos anos 2000 o mercado de populares no Brasil era dominado por Gol, Palio, Uno, Celta, Corsa e Fiesta. Os dois da Chevrolet já saíram de linha e o Fiesta virou “New”. Assim a indústria segue seus ciclos.

Liderança

A indústria tem ciclos não só de fabricação, mas de lideranças. Os veículos líderes em vendas hoje surgiram após 2010: Onix e HB20 foram lançados em 2012 e Chevrolet Prisma em 2013. O novo Ka, que do original manteve só o nome, apareceu em 2014.

Desde 2017, o segmento de hatches ganhou novidades importantes, como os Fiat Mobi e Argo, o Renault Kwid e o Novo Polo. Agora, estes lançamentos começam a ganhar corpo no ranking de vendas.

Longe de mim jogar mau agouro sobre o Onix, mas os números de março me chamaram a atenção. Não acredito que a liderança do hatch esteja ameaçada, mas a distância entre ele e os concorrentes vem caindo desde o início do ano, com Ka e HB20 se revezando nas segunda e terceira posições.

Em dezembro de 2017, o Onix emplacou 17.608 unidades, 9,6 mil a mais que o HB20; em janeiro deste ano, a diferença caiu para 8,4 mil entre o líder e o Ka; em fevereiro, a distância foi de 5,4 mil para o HB20. Os números de março mostram um avanço ainda mais considerável dos modelos da Ford e da Hyundai, bem como do Polo e do Kwid, que ultrapassaram as 5,9 mil unidades vendidas. A diferença do Onix para o segundo colocado (Ka) caiu para 2,8 mil.

Aconteceu com os SUVs

Mal comparando, o que acontece agora com o segmento dos hatches aconteceu, em 2014, com os SUVs. Na época, EcoSport e Duster polarizavam um mercado estagnado, até serem atingidos por Renegade e HR-V – primeiramente – e Kicks e Creta, na sequência. O resultado foi uma pulverização nas vendas.

Embora povoado por muito mais opções que o segmento de SUVs, em janeiro de 2017 o segmento de hatches não contava com modelos tão novos. Onix, HB20, Ka, Gol, Sandero e Prisma eram os mais vendidos do País. De lá para cá, foram muitos os entrantes.

Não creio que o Onix perca a liderança de mercado abruptamente, ele tem muitos predicados e ganha em preço e condições de vendas da maior parte dos concorrentes. Mas também não acredito que um veículo hoje tenha condições de se sustentar por décadas na liderança, como aconteceu um dia com o Gol.

A dinâmica hoje é outra. Os consumidores exigem mais e isso tem reflexo no ranking de vendas. Claro que a vida útil de Onix e companhia ainda será longa, já a permanência deles no topo do ranking de vendas, não se sabe. O ciclo pode estar se fechando.

________________________________________________________________________________________________________

Cecília França é jornalista há 13 anos. Graduada pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), iniciou na cobertura do setor automotivo na Folha de Londrina, em 2013. É também colunista e editora do site Revista Sobre Rodas.

Leia mais

Faltou Onix no mercado Por Cecília França Acompanhem comigo os números de emplacamentos do Onix de janeiro a março deste ano: 16.058 - 12.797 - 12.918. Na coluna anterior, chamei a atenção para estes números e para a queda na distância entre o líder e seus principais concorrentes - Ka e HB20 - no ranking de vendas, suger...
Conversa a motor | O que é que o líder tem? Por Cecília França Mais um balanco mensal de vendas de veículos, mais um mês de liderança do Chevrolet Onix. O hatch da GM emplacou 15 mil unidades em maio e segue tranquilo no primeiro lugar no acumulado do ano, enquanto Ford Ka e Hyundai HB20 continuam sua acirrada disputa pelos dois postos segu...
Estamos comprando menos carros, porém mais caros Na semana passada eu conversava com o gerente de uma concessionária em Londrina (PR) e ele me revelou um dado interessante sobre o mercado local. O ticket médio na loja dele (representante de uma das quatro maiores marcas do mercado) subiu de R$ 42 mil para R$ 54 mil nos últimos quatro anos, ou seja...
Acabou a paz no reino dos sedans compactos "Cobalto e City viviam tranquilos em seu pequeno reino, de nome Compacto, no País dos Sedans. Donos de 96% das terras, eram cercados por seres menores, com quem conviviam pacificamente. Porém, um belo dia chegou ao reino um ser identificado como Virtude, empunhando uma arma estranha, chamada turboco...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *