Você acha carro popular caro hoje? Já foi pior!

Por Cecília França

Para quem está cansado de discutir futebol na roda de amigos, sugiro um tema igualmente espinhoso para substituí-lo: os preços dos carros no Brasil. Tocar neste assunto é certeza de discursos inflamados, mas com uma diferença para qualquer Fla X Flu: haverá consenso.

Dez em cada dez brasileiros consideram altos os preços cobrados por veículos no País. Comparações com os valores vigentes nos EUA (que pululam na internet) fornecem ainda mais munição para estes discursos. Eu mesma já tratei do tema em minha coluna, mostrando o impacto da sangria dos impostos e lucros das montadoras no preço final ao consumidor.

Pagamos caro, é fato. Mas será que já pagamos menos? A pergunta me ocorreu durante leitura do livro “Jornalismo Automotivo”, do jornalista Paulo Campo Grande, em que ele cita o protocolo do “carro popular”, instituído em 1993 no governo Itamar Franco para “ressuscitar” o Fusca – e abordado mais à frente.

O que é carro popular?

Por popular devemos (ou deveríamos) entender o carro mais vendido do País, ou seja, o que tem maior apelo junto à população. Teoricamente, o título seria sempre do carro mais barato do mercado. Porém, se pensarmos no nosso mercado atual, chamar o Onix, um carro que parte de R$ 47 mil, de popular soa estranho.

O conceito de carro “pelado” instituído na época de Itamar, também já não encontra ressonância hoje em dia, quando a maior parte dos motoristas opta por veículos quatro portas, com ar e direção, e a própria legislação exige um bocado de itens de segurança.

Sendo assim, adotei o carro mais barato – e de volume – do mercado atual como o popular do momento e equiparei os preços aos salários mínimos de cada época.

Vejam só.

Comparando

O Renault Kwid tem preço inicial de venda de R$ 29.990, o equivalente a 31 salários mínimos atuais, de R$ 965. Em 1960, o veículo mais barato à venda no Brasil era a pequena Romi-Isetta, que custava 370 mil cruzeiros (38 salários mínimos e meio da época). Em 1970, os carros mais baratos do País eram o Jeep Universal, por 12.002 cruzeiros novos, e o Fusca 1300, por 12.079 cruzeiros novos. Ambos custavam cerca de 77 salários mínimos da época.

Na década seguinte, o modelo mais em conta do mercado continuava sendo o VW Fusca 1300, vendido então por 110.450 cruzeiros, valor equivalente a 37 salários mínimos da época. A GM tinha como automóvel mais barato o Chevette, a partir de 147.381 cruzeiros (50 mínimos) e o 147 era o mais acessível da Fiat, custando 143.820 cruzeiros (49 salários).*

Itamar

O carro popular pensado por Itamar tinha IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de apenas 0,1%, motorização sempre 1.0 (com exceção do Fusca, Kombi e Chevette, que eram 1.6) e preço máximo de US$ 7.200 – o equivalente a 119.378 cruzeiros (moeda da época). Em fevereiro de 1993, quando o protocolo foi instituído, o salário mínimo era de 1.250.700,00 cruzeiros, o que nos leva a um carro popular equivalente a 10,4 mínimos, o mais barato já registrado na história.

Porém, como as coisas não podem ser simples no Brasil, matéria do jornal Extra relata um ágio de até 100% na venda dos 0 km na época, justamente em virtude da alta demanda pelos populares. Ou seja, o preço da tabela era quase simbólico.

Em 1994, quando entrou em vigor o Plano Real, o carro mais vendido do País era o VW Gol, que custava R$ 7.243, equivalente a 111 salários mínimos (de irrisórios R$ 64,79).

Anos 2000

Em 1999, o Gol Special era vendido por R$ 12.044, valor referente a 88 salários mínimos da época. Em 2003, o Fiat Palio era anunciado, em propaganda televisiva, por R$ 13.900 ou 58 mínimos.

De lá para cá, o salário mínimo teve aumento real, o poder de compra das famílias melhorou, mas ainda continuamos pagando 31 salários mínimos no carro mais barato do mercado. O mais vendido, Onix, sai por cerca de 49 mínimos. Se somarmos impostos, seguro e um combustível em aumento galopante, comprar e manter um carro não está muito mais fácil do que no início dos anos 2000.

Se alguém levar esta coluna para discussão em uma roda de amigos, certamente pensarão em me condenar a partir do título. Espero que sigam a leitura até aqui. Neste jogo, estamos todos no mesmo time.

*Os valores das décadas de 1960 a 1980 foram retirados de reportagem do jornal Correio Braziliense.


Cecília França. Paranaense, jornalista formada há 12 anos pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Iniciou na cobertura do setor automotivo há quatro anos, no jornal diário Folha de Londrina. Atualmente é freelancer e colunista do Autos Giros.


*A coluna Autos Papos teve seu nome alterado para AutoMobilidade em 08/02/2018

Leia mais

Conversa a motor | Quando chega o fim da linha par... Cecília França "Tudo que é bom dura pouco", diz o ditado. Nem tudo. Fosse assim, o Fusca não teria sido fabricado por mais de 70 anos (hehe). Quando se trata de carro (e da vida?), todos um dia hão de acabar. Aconteceu com mitos como o Fusca, o Opala e o Uno Mille. Mais recentemente com o Fiat Pali...
Metamorfoses motorizadas: as mudanças nos carros d... Por Cecília França Li em um site de notícias automotivas neste fim de semana que o estepe exposto na traseira dos veículos aventureiros e off road parece estar com os dias contados no Brasil. O novo EcoSport – maior referência no uso do acessório – já estreou sem ele nos mercados europeu e norte-am...
Cadê o novo Fusca? Por Cecília França Em fevereiro de 2014 a Volkswagen lançou o compacto up! com grandes ambições. Participei da apresentação para a imprensa e o clima era de otimismo entre os executivos e, confesso, também entre os jornalistas. A montadora ambicionava fazer dele um novo Fusca, ancorada no design si...
O estigma do motor 1.0 Motores 1.0 sempre foram associados a economia e carros populares. Desde o governo Itamar Franco, quando o "milzinho" ganhou até incentivos fiscais para ter um preço mais acessível - uma forma de promover a renovação da frota - ele passou a ser o preferido pelos que querem um carro econômico e que c...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *