Transportes tem preços em alta

Por Vandré Kramer
vandre.kramer@uol.com.br

Os gastos do brasileiro com os transportes aumentaram mais do que inflação. A constatação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos últimos 12 meses, os preços relacionados a eles tiveram uma variação de 3,73%, diante dos 2,70%, do IPCA, que é considerado o índice oficial de preços do país. Os transportes são a segunda maior rubrica dos gastos das famílias, respondendo por 18,1% do total.

As maiores altas aconteceram em Brasília (8,69%), Campo Grande (7,38%) e Recife (6,93%). As menores: São Paulo (2,19%), São Paulo (2,34%) e Porto Alegre (2,71%).

Transporte público e combustíveis são os vilões da alta. No período, eles tiveram uma alta, respectivamente, de 5,52% e 5,11%, respectivamente. E a tendência é de que esses aumentos continuem em ritmo forte, impulsionados pelos combustíveis.

Estes vem aumentando em um ritmo assustador. Só a gasolina, nos últimos três meses, aumentou 4,78%, de acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Culpa da nova política da Petrobras que alinha os reajustes dos combustíveis aos do petróleo no mercado internacional. Nos últimos três meses, o preço do barril de petróleo no mercado internacional saltou de aproximadamente US$ 47 para US$ 57, aponta a agência de notícias Bloomberg.

E a alta nos preços dos combustíveis pode continuar em função do aumento das tensões no Oriente Médio e do acordo para que os grandes países exportadores de petróleo reduzam a sua produção. Com isso, os combustíveis devem continuar em alta no Brasil.

O impacto dessa alta vai ser estendido nos próximos meses, à medida em que tarifas de transporte público forem sendo reajustadas. As que menos devem sofrer são as de táxi, nas cidades de médio e grande porte, pois aí há a concorrência com aplicativos (Uber, Cabify, 99, por exemplo).

Outros impactos são mais visíveis para o motorista e para quem trabalha diretamente com transportes. O preço dos seguros aumentou 17,09% nos últimos 12 meses, em função do recrudescimento da insegurança, e as multas deram um salto de 54,20%, devido a ajustes feitos pelas diferentes esferas de governo. É para ir se acostumando com essa tendência de alta!


Vandré Kramer é jornalista, com formação em economia e pós-graduação em mercado financeiro. Trabalhou por mais de 20 anos cobrindo a área econômica para jornais de Santa Catarina (SC).

Leia mais

Otimismo sem novas tecnologias na economia Por Vandré Kramer vandre.kramer@uol.com.br Bom! Esta é a última coluna de 2018. Entramos em recesso de Natal e Ano Novo e só voltaremos em 8 de janeiro. Vamos aproveitar a oportunidade para falar um pouco das expectativas para o próximo ano. A ideia desta coluna é fugir um pouco do mundo automob...
Carros elétricos e combustíveis renováveis Por Vandré Kramer vandre.kramer@uol.com.br Um dos grandes desafios da indústria automotiva brasileira é impulsionar o segmento dos elétricos. O mercado ainda é pequeno: cerca de 5 mil veículos no país. Mas é extremamente promissor. Primeiro, há uma “cultura verde” e em, segundo lugar, estão as met...
Juro nos financiamentos tem gordura e freio Por Vandré Kramer vandre.kramer@uol.com.br Hoje, concluímos a série das retrospectivas de 2017 sobre a indústria automobilística. E o assunto de hoje é que há muito espaço para as instituições financeiras reduzirem as taxas de juro cobradas nos financiamentos e no arrendamento mercantil para os ca...
Usado perdeu espaço para novo em 2017 Por Vandré Kramer vandre.kramer@uol.com.br Continuando com a sequência das retrospectivas de 2017, vamos aproveitar para falar esta semana do setor de usados, que continuou mantendo um bom desempenho, mas foi ofuscado pelo resultado das vendas de veículos novos. Dados da Federação Nacional de Dist...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: