Temporada de bons sinais

Por Vandré Kramer
vandre.kramer@uol.com.br

Já dá para enxergar sinais de recuperação da indústria automobilística. E as perspectivas para os próximos anos são favoráveis. Isso, no que depender das montadoras. Basta os condutores da política econômica e os governantes emitirem sinais positivos para que o ciclo virtuoso que se inicia ganhe força. Até agora, pouco foi feito pelo governo no que tange a estimular a atividade econômica no longo prazo.

Do lado das montadoras, cenário ruim é coisa do passado. Pelo menos R$ 15 bilhões devem ser aplicados nos próximos anos na modernização e expansão do parque fabril brasileiro. Executivos já projetam um crescimento de dois dígitos para o próximo ano.

E, lentamente, a utilização da capacidade instalada começa a crescer. Segundo a Confederação Nacional da indústria (CNI), em agosto , era de 68,2%, o melhor indicador em dois anos. Mas, mesmo assim, bem longe dos picos de 90% registrados em 2011.

Com esse aumento da capacidade instalada – motivada pelo crescimento da produção -, as empresas já estão revendo as licenças forçadas concedidas a seus funcionários no auge da crise. E, gradualmente devem ser reaberto postos de trabalho fechados durante a crise.

Atualmente, 126,3 mil pessoas trabalham com carteira assinada, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos automotores (Anfavea). Os números ainda são inferiores aos do mesmo período de 2016: 0,5%, mais precisamente. Contudo, há segmentos que ampliaram o número de funcionários nos últimos 12 meses. É o caso das máquinas agrícolas, que estão embaladas pelo bom desempenho no campo.

São boas notícias! Um bom próximo passo seria tirar do papel uma política industrial para o setor que agregasse mais inovação, estimulasse novos investimentos, gerasse mais negócios e empregos e, principalmente, barateasse os modelos para o consumidor, sem descuidar da qualidade.


Vandré Kramer é jornalista, com formação em economia e pós-graduação em mercado financeiro. Trabalhou por mais de 20 anos cobrindo a área econômica para jornais de Santa Catarina (SC).

Deixe uma resposta