Dia de cuidar das crianças é todo dia

Por Cecília França

Dirigir exige atenção constante. Quando se tem uma criança no carro, então, o cuidado deve ser redobrado. Depois que me tornei mãe também me tornei uma motorista bem mais prudente, e não à toa. A propósito do Dia das Crianças, comemorado ontem, o Detran Paraná divulgou alguns dados preocupantes envolvendo menores de 0 a 11 anos no trânsito paranaense.

Em 2016, 1,5 mil crianças foram vitimas de ocorrências de trânsito nas ruas e estradas paranaenses. O número de mortes nessa faixa etária subiu de 27, em 2015, para 32, em 2016 – aumento de 18,52%. Muitos destes acidentes podem ter ocorrido por erros de terceiros, porém, quando as crianças estão sendo transportadas da maneira correta, o risco de ferimentos graves ou morte diminui bastante.

Eu já ouvi muitas vezes de pais e mães: “Ah, eu levei meu filho no colo mesmo, porque era pertinho de casa” ou “Eu tirei do bebê conforto porque ela estava chorando muito, atrapalha o motorista”. Ser pertinho de casa não justifica tirar da cadeirinha, nem o choro da criança. Realmente não é fácil dirigir com um bebê desesperado atrás, mas o correto é parar, acalmar a criança e recolocá-la na cadeirinha. Um minuto pode ser determinante.

Foto: Divulgação/Detran

Adequação

E pouco adianta utilizar os dispositivos de segurança de maneira incorreta. O Detran Paraná alerta para falhas mais comuns, como o uso de almofadas de encosto para a cabeça sem a devida proteção do pescoço e crânio. A cabeça da criança é a parte mais vulnerável, por ser relativamente maior em proporção ao restante do corpo. Por isso, movimentos bruscos da cabeça e do pescoço podem provocar lesões que não ocorreriam em adultos.

Cadeiras de segurança, quando instaladas e usadas corretamente, diminuem os riscos de morte em até 71% e, em casos de crianças com até 4 anos, a necessidade de hospitalização reduz em 69%.

Dispositivos adequados para cada idade

0 a 1 ano – bebê conforto, virado para trás

1 a 4 anos – cadeirinha

4 a 7 e meio – assento de elevação

 

Obs.: Crianças só podem viajar no banco da frente do veículo a partir dos 10 anos de idade e desde que tenham mais de 1,45 metros de altura.

Além de garantir a segurança do seu filho, ao cumprir essas regras você também evita multa, já que transportar crianças em desacordo com a lei é infração gravíssima, com perda de 7 pontos na carteira de habilitação e multa de R$ 293,47. Pesa no bolso e na consciência.

Atropelamentos

Crianças também estão sujeitas a outro tipo de acidente no trânsito: os atropelamentos. Claro que todos nós estamos, mas as crianças, por não terem noção do perigo, tornam-se ainda mais vulneráveis. De janeiro a outubro deste ano foram registradas 207 ocorrências do tipo no Paraná; destas, 203 tiveram ferimentos, ou seja, 98%. Muitos dos acidentes acontecem, segundo o Detran, quando crianças atravessam ruas e estradas sem a companhia de um adulto e sem respeitar as faixas de pedestres.

São erros comuns, cometidos na confiança de que “é só um minutinho, não vai acontecer nada”. Mas acontece. Cuidados simples garantem a segurança no trânsito e respeitá-los é, também, respeitar nossas crianças.

Foto: Divulgação/ Detran

Cecília França. Paranaense, jornalista formada há 12 anos pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Iniciou na cobertura do setor automotivo há quatro anos, no jornal diário Folha de Londrina. Atualmente é freelancer e colunista do Autos Giros.


*A coluna Autos Papos teve seu nome alterado para AutoMobilidade em 08/02/2018

Deixe uma resposta