¿Donde está?

O Salão do Automóvel de Buenos Aires, que termina justamente nesta terça-feira (2o), deu alguns passos além da exposição dos modelos dos sonhos, aqueles que costumeiramente mexem com a cabeça dos visitantes e rendem um verdadeiro book com trocentas fotos dos mais variados ângulos. No campo dos negócios, o evento serviu para mostrar que as relações comerciais entre Brasil e Argentina seguem suficiente e estrategicamente estreitas e, pelo visto, mais navios irão misturar as águas salgadas do Atlântico com a doce do Rio da Prata nos próximos anos.

Tudo muito bom, tudo muito bem, mas o mercado premium não foi lá muito lembrado nos estandes do La Rural nos últimos 10 dias. Não havia o meio termo. Ou eram os carros populares, que cruza a fronteira para tentar vender horrores nos dois países, ou eram os conceitos, que até podem virar realidade, mas não de imediato. Em alguns casos, como no estande da Toyota, os conceitos eram totalmente híbridos e com um design que, por enquanto, provocaria algumas torcidas de nariz nas ruas e estradas.

Sem Audi nem BMW expondo seus produtos, restaria à Mercedes-Benz mostrar algo mais elevado. Elevou o tamanho ao mostrar o protótipo da Classe X, a primeira picape da marca, que deve aparecer pelo Brasil somente em 2020.

Na linha dos sonhos, a Ferrari foi a campeã. Parece redundante, mas representa a verdade. Levou a  F12 Berlinetta e, sim, provocou aquele conhecido alvoroço de visitantes munidos de celulares.

 

É evidente que as relações comerciais são fortes, merecem uma atenção, mas a linha preminum poderia ter um espaço maior em Buenos Aires e não teve.

E olha que havia muito espaço no La Rural.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: