Controle Eletrônico de Estabilidade, segurança na fila de espera

É incontestável a eficiência do Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC – Electronic Stability Control) em relação à segurança veicular, reduzindo riscos de acidentes e até de mortes dos ocupantes dos carros. E a necessidade de este sistema, responsável por ativar os freios em uma ou mais rodas quando reconhece situação de risco ou perda de aderência, estar presente, o quanto antes, nos veículos da frota brasileira é verdadeiramente urgente, embora o próprio proprietário do carro, muitas vezes, não se dê conta disso. No fim do túnel, está a obrigatoriedade do ESC em novos modelos a partir de 1º de janeiro de 2020 e em todos os modelos de montadoras e importadoras a partir de 1º de janeiro de 2022. Pela frente, mais dois anos e meio de espera.

E o prazo para veículos comerciais, ônibus, reboques e semi-reboques é ainda mais longo: 2024. No entanto, há barreiras técnicas à implementação do sistema, o que deve ser discutido no 13º Colloquium Internacional SAE Brasil de Freios & Mostra de Engenharia, que será realizado em Caxias do Sul (RS) nos dias 24 e 25 de maio. “Será um grande desafio técnico desenvolver o sistema nos prazos que foram dados pela resolução do Contran 641/16 em função das especificidades dos produtos, que dispõem dos mais variados tipos de implementos e contam com diferentes condições de carregamento na comparação com os veículos europeus e norte-americanos”, considera o engenheiro César Augusto Ferreira, chairperson do evento.

Outra entidade envolvida com o assunto é a Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), que fez um estudo de implantação do sistema eletrônico de estabilidade, envolvendo  48 engenheiros e técnicos automotivos, em 2015. O trabalho foi apresentado ao Denatran, culminando com a publicação da resolução do Conselho Nacional de Trânsito 567/15 de obrigatoriedade do uso do sistema nos veículos leves saídos de fábrica, nacionais e importados.

“A AEA colaborou de forma efetiva na elaboração dos requisitos e procedimentos técnicos deste dispositivo”, informou o presidente da Associação, Edson Orikassa. Segundo ele, a entidade está participando ativamente da discussão com focal técnico. Orikassa também destacou que o equipamento é muito importante à segurança do veículo, mas que a AEA entende que existe uma competição de preços que dificulta a expansão do sistema na categoria “populares”. A Associação, de acordo com o dirigente, também vem estudando os novos sistemas, seguindo prioridades definidas principalmente pelos órgãos regulamentadores.

Conforme Orikassa, que é gerente de área na Toyota do Brasil, a grande vantagem do controle eletrônico é a rápida estabilidade do veículo em casos de manobras emergenciais. “O sistema verifica se a direção do veículo está de acordo ou não com o comando do volante. A potência do motor é reduzida e os freios atuam para estabilizar ou alinhar o veículo de forma automática”, descreve.

O sistema atua em situações críticas de condução como em uma superfície molhada, suja ou escorregadia, uma curva fechada repentina, um obstáculo que force uma reação evasiva que podem provocar a perda de controle do veículo. O ESC pode detectar essa situação de forma antecipada e, dentro dos limites físicos, estabilizar o veículo, evitando derrapagens laterais capotamentos e tombamentos.


Rosangela Groff é jornalista e atua há mais de 10 anos na área automotiva. É editora do caderno Carros & Motos do jornal Correio do Povo, um dos mais tradicionais do Rio Grande do Sul, com mais de 120 anos de existência. Também edita conteúdo impresso e on-line no segmento de autopeças para entidades do setor.

A coluna Auto Performance é veiculada todas as sextas-feiras e aborda os mais diversos temas do setor, desde as estratégias de mercado das marcas até as novas  tecnologias que equipam os veículos.

Leia mais

Um veículo para tudo, conectado, e mais ainda sust... O conceito de carro autônomo ganha cada vez mais a atenção dos fabricantes do setor automotivo, tanto entre montadoras quanto na indústria de peças e equipamentos. A aposta das marcas visa a uma série de vantagens nesse tipo de veículo, com a proposta que valoriza a segurança, a ponto de contar com ...
Muito além de veículos, projeto prevê um ecossiste... A Nissan anunciou parceria com a empresa alemã E.ON, uma das maiores distribuidoras globais de energia, que já mantém projetos com a fabricante de automóveis na Dinamarca. O projeto aposta no compromisso da Nissan em desenvolver um extenso ecossistema elétrico, tanto para consumidores finais quanto ...
Comunicação direta entre veículos com conectividad... Automóveis se comunicando entre si para alertar eventuais perigos na estrada, como carros lentos ou parados. Assim funciona o C-V2X (Cellular Vehicle-to-Everything), uma solução de comunicação entre veículos, assim como entre veículos e infraestruturas, que contribui para aumentar a segurança viária...
Teto panorâmico, iluminação ambiente e vidro intel... Ar fresco, céu azul ou estrelado e a sensação de liberdade. Esses são estímulos que provocam um bem-estar em quem dirige um veículo com teto solar, ou melhor ainda, panorâmico. E mais ainda, se tornaram um acessório de design premium, que agrega mais valor ao carro. E estes equipamentos a cada di...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: