O que passa pela cabeça de Lewis Hamilton?

Speed Mali - André Malinoski

Por André Malinoski

O britânico Lewis Hamilton corre de olho na dianteira, focado nos primeiros treinos em Barcelona e com um grilo falante pousado sobre o ombro. O inseto não dá trégua e cochicha: “Meu amigo, vamos acelerar juntos. O Tetra está logo ali”. Brincadeira à parte, o tricampeão mundial sabe que sem a presença de Nico Rosberg na Mercedes, o caminho pode estar um pouco mais fácil. A temporada de 2017 será uma oportunidade e tanto para o competidor conquistar o Mundial de Pilotos e entrar para o seleto grupo dos vencedores dos quatro canecos formado apenas pelo francês Alain Prost, gênio da técnica e antigo rival de Ayrton Senna, e pelo alemão Sebastian Vettel.

Imaginem o que passa pela cabeça de Hamilton? Com a saída de Rosberg do circo da Fórmula 1, a luta se anuncia diante de outro alemão. Mas será que Vettel tem cacife para repetir o desempenho de anos anteriores? Certamente, isso também ocupa espaço dentro do capacete de Hamilton. Particularmente, acho que Vettel tem condições de sobra para levar sua Ferrari ao lugar mais alto do pódio. Não custa lembrar que todos os títulos dele aconteceram pela Red Bull.

Se a cabeça de Hamilton é um turbilhão de expectativas pelas possibilidades na temporada, o amante da F-1 pode ficar alvissareiro em acompanhar corridas mais interessantes. As mudanças na categoria já deixaram os carros em média cinco segundos mais velozes em relação aos testes da pré-temporada anterior. A alegação do espanhol Fernando Alonso de que os pilotos têm cada vez menos importância na direção pode ao menos ser contestada. Cabe ao piloto pisar fundo e calcular riscos e ganhos. Velocidade é a matéria-prima da F-1.

Se Hamilton repetir o foco das últimas quatro provas de 2016, em que venceu todas, será o candidato ao título. Até a abertura no Grande Prêmio da Austrália, tudo ainda tem ares prematuros e circunda o campo da especulação. Menos para aquele agitado grilo falante, certo do triunfo e danado de otimista.

Leia mais

Quando o piloto se torna uma bela lembrança Por André Malinoski Foram os grãos de areia do deserto dos Emirados Árabes Unidos que testemunharam como um sopro o adeus de Felipe Massa da Fórmula 1. O brasileiro se despediu da principal categoria do automobilismo em um domingo como tantos outros. O competidor deixa a Williams depois de um décim...
Vettel vence GP do Brasil e antecipa revanche cont... Por André Malinoski Há três tipos de corridas na Fórmula 1. Algumas provas valem muito, outras não representam nada, e uma parcela simboliza algo para ser comemorado mais adiante. Neste último item pode ser incluído tanto Sebastian Vettel, vencedor do Grande Prêmio do Brasil de F-1, como a Ferrari....
Hamilton circula entre iguais pelo badalado panteã... Por André Malinoski Lewis Hamilton não cabe em si de tamanho contentamento. É como se levitasse em torno do Olimpo com o consentimento e até a admiração dos deuses. O britânico é a bola da vez, o eleito da velocidade e o homem a ser batido. Assim sendo e de mãos dadas com a glória, o piloto da Merc...
Verstappen vence GP da Malásia, mas Vettel dá show... Por André Malinoski O frescor de completar 20 anos parece ter feito bem ao piloto Max Verstappen. O neerlandês saiu do terceiro lugar do grid, ultrapassou Lewis Hamilton e venceu o Grande Prêmio da Malásia de Fórmula 1, neste domingo, um dia após festejar duas décadas de vida. O próprio britânico c...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *