Espaço para juro menor na compra de carro

Por Vandré Kramer
vandre.kramer@uol.com.br

A quinta queda seguida na Selic, a taxa básica de juros, anunciada na semana passada pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), abre oportunidade para a redução nas taxas de financiamento dos carros. Desde outubro, o referencial para as demais taxas de juros caiu de 14,25% para 12,25% ao ano. No mesmo período, as instituições financeiras aumentaram o valor cobrado de seus clientes na hora de financiar a compra de carros.

A tendência é que a Selic continue em queda nos próximos meses. Instituições financeiras ouvidas pelo BC sinalizam que o ano deve encerrar com uma taxa básica de 9,5% ao ano, que seria o menor nível desde outubro de 2013.

Algumas taxas de crédito, como o cheque especial, já começaram a cair pontualmente nas instituições financeiras. O movimento deve ser acompanhado por outros segmentos nas próximas semanas.

A queda nos juros deve ser algo bem lento, se estendendo ao longo do ano. Dois fatores ainda pesam negativamente: a elevada taxa de inadimplência e a falta de confiança do consumidor, o que contribuem para deixar o mercado desaquecido

Segundo o BC, a inadimplência acima de 90 dias nos financiamentos de veículo por parte das pessoas físicas atingiu, em 2016, o maior nível em três anos. A falta de pagamento atingiu 4,6% da carteira. Entre as pessoas jurídicas, a taxa é um pouco mais elevada: 5%, a mais alta em cinco anos.

A confiança do consumidor ainda é baixa. Segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC), em fevereiro, ela estava 2,1% abaixo do mesmo nível do mesmo mês de 2016. Menos de um terço das famílias se sente segura em relação ao emprego atual e as perspectivas profissionais são 1,4% inferiores às de igual período do ano passado.

Outro indicador, calculado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que as expectativas de compras de maior valor caíram, em fevereiro, 1% em relação a igual período de 2016. Este cenário não abre espaço, imediatamente, para o aumento nas compras a prazo. Quase a metade das compras de carros é financiada, aponta a Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef).

Mas no médio prazo, a situação pode melhorar. Os juros cobrados na hora de financiar a compra do carro devem cair ao longo do ano, com a redução na inadimplência e a melhoria na confiança do consumidor. A entidade empresarial projeta, para 2017, um crescimento de 5,5% na liberação de recursos para o financiamento de autoveículos e motocicletas.

Esta tendência de queda nas taxas faz com que o momento não seja o oportuno para ir às compras. A Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) recomenda que os consumidores atrasem a compra de bens de valor maior, deixando os negócios para o final do segundo semestre, quando os juros estarão menores.


Vandré Kramer é jornalista, com formação em economia e pós-graduação em mercado financeiro. Trabalhou por mais de 20 anos cobrindo a área econômica para jornais de Santa Catarina (SC).

Deixe uma resposta