Marcopolo fecha 2016 estável e quer crescer em 2017

Marcopolo fecha 2016 estável e quer crescer em 2017. Foto: Douglas de Souza Melo/Divulgação

A Marcopolo encerrou 2016 com desempenho praticamente estável em relação a 2015. A receita líquida consolidada foi de R$ 2,574 bilhões, contra R$ 2,739 bilhões, em 2015. O crescimento de 27,3% nas exportações e de 14,6% nas vendas realizadas pelas unidades localizadas no exterior contribuíram para compensar parcialmente a retração de 37,6% no mercado interno. Com isso, a expectativa da empresa é de crescimento para 2017.

Nas unidades do exterior, a receita líquida da Polomex, no México, e da Volgren, na Austrália, cresceram 28,0% e 13,3%, respectivamente. O resultado alcançado pela unidade do México originou-se principalmente da maior comercialização de ônibus rodoviários. Na unidade australiana, o crescimento é decorrente do aumento de 10,1% de unidades vendidas.

Perspectivas para 2017

A Marcopolo acredita na retomada gradual da demanda por ônibus, a partir do segundo semestre. Isto principalmente em função de perspectivas mais otimistas quanto à atividade econômica no País. Em janeiro, a companhia adotou férias coletivas nas unidades de Caxias do Sul. Na Marcopolo Rio, em Duque de Caxias/RJ, também foi adotada uma flexibilização da jornada de trabalho de 4 dias em fevereiro.

A demanda doméstica de ônibus rodoviários poderá ser incrementada pela regulamentação de acessibilidade. A nova legislação exige que veículos produzidos a partir de julho de 2017 sejam equipados com elevadores. Além disso, a obrigatoriedade de redução na idade média da frota que também pode impulsionar as vendas. Para o fim deste ano, a idade máxima será e oito anos.

A Marcopolo

Por meio de investimentos constantes em design e tecnologia, a Marcopolo produz soluções que contribuem para o desenvolvimento do transporte coletivo de passageiros. Atualmente, a empresa é a líder do mercado brasileiro no segmento ônibus e posiciona-se entre as maiores fabricantes do mundo. Com fábricas nos cinco continentes, os veículos produzidos pela empresa rodam nas estradas de mais de cem países.

Deixe uma resposta