Apesar da nova queda em 2016, Anfavea projeta crescimento do setor automotivo em 2017

Apesar da nova queda em 2016, Anfavea projeta crescimento do setor automotivo em 2017. Foto: Divulgação

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores – Anfavea, apresentou o balanço final da indústria automobilística brasileira em 2016. Na ocasião a entidade também apresentou projeções positivas para o mercado em 2017.

O licenciamento de veículos totalizou  2,05 milhões de unidades. Isto representou uma queda de 20,2% frente as 2,57 milhões de unidades vendidas em 2015. Somente em dezembro – o melhor mês do ano – foram negociadas 204,3 mil veículos. O resultado significou um crescimento de 14,7% ante as 178,2 mil unidades de novembro. Ao mesmo tempo, uma baixa de 10,3% se comparado com as 227,8 mil de dezembro de 2015.

Para Antonio Megale, presidente da Anfavea, vários fatores contribuíram para este desempenho: “O primeiro é a confiança em baixa, em razão da instabilidade política vivida pelo País, que fez investidores e consumidores adiarem suas decisões. O segundo é o acesso ao crédito, resultado da conjuntura socioeconômica, que tornou as instituições financeiras muito seletivas na hora da concessão. A consequência disso foi que a participação de vendas financiadas no total do licenciamento nos patamares mais baixos da série histórica”.

Produção

A produção em 2016 foi de 2,16 milhões de unidades – 11,2% inferior aos 2,43 milhões de unidades de 2015. No último mês do ano, as 200,9 mil unidades fabricadas indicam diminuição de 7,1% sobre as 216,3 mil de novembro, e expansão de 40,6% em comparação com as 142,8 mil do mesmo mês de 2015.

Nas exportações o cenário foi de alta: 520,3 mil unidades foram negociadas com outros países, alta de 24,7% sobre as 417,3 mil unidades de 2015. Em dezembro 62,9 mil veículos atravessaram as fronteiras, número 11% maior em relação a novembro, com 56,7 mil unidades, e 36,1% acima ante as 46,2 mil de dezembro de 2015.

Caminhões

As vendas de caminhões em 2016 registraram 50,6 mil unidades, contração de 29,4% diante das 71,7 mil unidades do ano anterior. Na análise mês a mês, as 4,5 mil unidades comercializadas em dezembro ficaram 17,1% acima das 3,8 mil de novembro e 20,8% inferior as 5,6 mil unidades de dezembro de 2015.

Na produção o ano fechou com baixa de 18,2% (60,6 mil unidades contra 74,1 mil de 2015). Saíram das linhas de montagem em dezembro 4,2 mil unidades, 21,2% a menos do que novembro (5,4 mil). Entretanto, o resultado foi 63,6% superior às 2,6 mil de igual período de 2015.

Com 21,5 mil unidades em 2016, as exportações subiram 2,3% frente as 21 mil unidades negociadas em 2015. Na análise mensal, dezembro apresentou resultado 6,8% maior: 2,4 mil unidades sobre 2,2 mil em novembro. Comparando com dezembro de 2015 o crescimento foi de 131,7%.

Ônibus

Marcopolo. Foto: Júlio Soares

No segmento de ônibus as vendas foram de 11,2 mil unidades. Isto representou um recuo de 33,5% frente às 16,8 mil de 2015. No último mês do ano foram comercializados 667 ônibus. Isto significou um aumento de 9,3% ante as 610 de novembro, e uma contração de 48,6% sobre as 1,3 mil de dezembro de 2015.

A produção ao longo de 2016 registrou 18,7 mil chassis para ônibus – baixa de 13% diante das 21,5 mil de 2015. Foram produzidos 979 chassis em dezembro, diminuição de 38,7% se defrontado com as 1,6 mil de novembro e de alta de 81% contra as 541 de dezembro do ano anterior.

Foram exportados 9,8 mil chassis para ônibus em 2016: elevação de 33,2% se comparado com as 7,3 mil de 2015. O resultado das exportações no décimo segundo mês de 2016, com 974 unidades, aumentou 32,5 % frente as 735 unidades de novembro e 21,9% ao defrontar com as 799 de dezembro de 2015.

Máquinas agrícolas e rodoviárias

Segundo a Anfavea, em 2016 foram negociadas 42,8 mil unidades, queda de 4,8% sobre as 45 mil em 2015. Em dezembro, quando o setor comercializou 4,1 mil máquinas, houve elevação de 14,8% ante as 3,6 mil de novembro. Alta também de 84% na análise com as 2,2 mil de dezembro de 2015.

A produção em 2016 acumulou 53 mil unidades e ficou 4,1% abaixo do ano passado, com 55,3 mil unidades. Em dezembro 5,5 mil unidades foram fabricadas, o que representa estabilidade sobre novembro. Entretanto, em relação a 2015, o crescimento foi de 511% (906 unidades).

As exportações no setor de máquinas agrícolas e rodoviárias encerraram o ano com 9,5 mil unidades, o que significa diminuição de 5,7% frente as 10,1 mil de 2015.

Projeções da Anfavea para 2017

A Anfavea estima aumento de 4% no licenciamento de veículos em 2017: A expectativa é de comercializar 2,13 milhões de unidades. No caso das exportações, aumento esperado é de 7,2%, totalizando 558 mil unidades.

A previsão de produção é de 2,41 milhões de unidades, 11,9% acima do registrado em 2016. Segundo Megale, existem diversas razões para acreditar em crescimento. “A conjuntura macroeconômica indica fatos positivos, como aumento do PIB, inflação convergindo para o centro da meta. Além disso, há ainda as reduções contínuas da taxa básica de juros e a estabilização do dólar.”.

Crescimento entre pesados

A previsão da entidade para o setor de pesados também é de crescimento das vendas em 6,4%. Assim, o segmento deverá encerrar o ano com 65,6 mil unidades vendidas. A projeção de exportações do segmento é de 34,4 mil unidades (+ 10%). Assim, a produção deverá ser de 100,0 mil, um aumento de 26,1%.

Para o setor de máquinas agrícolas e rodoviárias, a projeção é de alta das vendas internas em 13,0%. A previsão é de 49,5 mil unidades em 2017. As exportações também serão 6,0% superiores: 10,2 mil unidades. E a fabricação de novos produtos será de 59,6 mil unidades este ano, alta de 10,7%.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: