Confira os números da Pirelli na Fórmula 1 2016

Pirelli levará mais de 3.500 pneus para treinos de pré-temporada em Barcelona. Foto: Reprodução

A Pirelli, fornecedora oficial de pneus para a Fórmula 1, divulgou os números finais de sua participação na temporada 2016 da principal categoria do automobilismo mundial.

Neste ano, a Pirelli introduziu um composto novo, o ultramacio. Além disso, com as novas regras, as equipes puderam usar três tipos de pneus durante cada prova.

Este foi também a última temporada dos pneus desenhados para terem alto nível de degradação. Durante o mundial do ano passado foram também realizados testes com os compostos de 2017.

Foram também testado pneus com as dimensões previstas no regulamento deste ano durante 24 dias cumulativos de testes.

Números:

Pneus:

– Número total de pneus fornecidos em 2016: 42.792;
Destes, 38.112 foram fornecidos durante fins de semana de corrida e 4.680 para os testes. Dos 42.792 pneus, 28.188 eram para pista seca e 14.604 para chuva ou intermediários;
– Número total de pneus usados durante os fins de semana de corrida: 15.652, sendo 13.844 eram para pista seca e 1.808 para chuva ou intermediários;
– Número total de pneus que foram reciclados: todos;
– Número total de quilômetros percorridos em cada tipo de composto (excluindo os testes);

Duro: 759 km (Daniel Ricciardo, Red Bull);
Médio: 3.597 km (Valtteri Bottas, Williams);
Macio: 6.566 km (Sergio Perez, Force India);
Supermacio: 4.598 km (Valtteri Bottas, Williams);
Ultramacio: 2.052 km (Nico Rosberg, Mercedes);
Intermediário: 444 km (Jenson Button, McLaren);
Para piso molhado: 523 km (Lewis Hamilton, Mercedes).

Pit Stops

– Número total de pit stops: 933, sendo que quatro foram drive-throughs e um stop and go;
Isso garante uma média de 44.4 por corrida e 2.01 por piloto por corrida;
– Corrida com mais paradas no box: 66 no Grande Prêmio da China;
– Corrida com menos paradas no box: 26 no Grande Prêmio da Rússia.

Ultrapassagens

– Número total de manobras de ultrapassagem durante a temporada: 866 (*), com uma média de 41.2 por corrida;
– Número mais alto de manobras de ultrapassagem em uma corrida com clima seco: 128 na China (**);
– Número mais alto de manobras de ultrapassagem em uma corrida com clima molhado: 64 no Brasil;
– Número mais baixo de manobras de ultrapassagem em uma pista com clima seco: 10 na Hungria;
– Piloto com mais manobra de ultrapassagem durante o ano: Max Verstappen, 78 (**);
– Piloto com mais manobras de ultrapassagem em uma única corrida: 18, Lewis Hamilton na China;
– Piloto que foi menos ultrapassado: Sebastian Vettel, uma vez (por Max Verstappen no Grande Prêmio do Brasil, na 66ª volta, pela 5ª posição);
– Piloto que ganhou mais posições durante a primeira volta ao longo do ano: Fernando Alonso, que ganhou 41 posições na primeira volta de todas as corridas;
– Time dos pilotos que mais ultrapassaram na temporada: Red Bull, 136 manobras (**) – 61 de Daniel Ricciardo, 60 de Max Verstappen e 15 de Daniil Kvyat;
– Time dos pilotos que menos foram ultrapassados na temporada: Mercedes, sete vezes (Nico Rosberg quatro e Lewis Hamilton três).

(*) Como as manobras de ultrapassagem são calculadas: uma manobra de ultrapassagem é contabilizada como tal quando ocorrem durante voltas voadoras (então não na primeira volta das corridas) e, então, é mantida até a linha de chegada da volta. Posições mudam por grandes problemas mecânicos e voltas dadas ou retiradas em retardatários não são contabilizadas.
(**) É o número mais alto desde 1983 (o primeiro ano em que os dados estão disponíveis).

Circuitos e corrida:

– Corrida mais longa da temporada: Brasil, três horas, um minuto e 1,335 segundo;
– Corrida mais curta da temporada: Itália, uma hora, 17 minutos e 28,089 segundos;
– Corrida mais rápida da temporada: Itália, velocidade média do vencedor (Nico Rosberg), 237.558 km/h;
– Velocidade mais alta alcançada por um Pirelli P Zero da Fórmula 1 durante um Grande Prêmio: 372.5 km/h, Valtteri Bottas no México (*);
– Número mais alto de voltas mais rápidas: Lewis Hamilton, 15 (3 em corridas e 12 em treinos classificatórios);
– Número mais alto de voltas lideradas: 566 (Lewis Hamilton).
(*) Novo recorde em uma sessão oficial da Fórmula 1 (anterior: 370,1 km/h, Kimi Raikkonen no Grande Prêmio da Itália de 2005)

Testes dos pneus mais largos para 2017:

– Número de protótipos testados: 96;
– Largura dos pneus: +25%;
– Times envolvidos no programa de testes da Pirelli: 3 (Ferrari, Mercedes e Red Bull);
– Pilotos envolvidos: 11, sendo 4 da Ferrari, 4 da Red Bull e 3 da Mercedes;
– Dias de testes: 24;
– Voltas: 2.613;
– Total de quilômetros: 12.148 km;
– Circuitos: 5 (Abu Dhabi, Barcelona, Fiorano, Mugello e Paul Ricard).

Pirelli na Fórmula 1 (DESDE 1950):

– Corridas: 320;
– Vitórias: 161
– Pole positions: 164
– Pódios: 490
– Voltas mais rápidas: 168
– Títulos de pilotos: 11
– Títulos de construtores: 6

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: