Renault Twingo faz história na terra dos cangurus

Renault Twingo na Austrália. Foto: Divulgação

O Renault Twingo “Balarinji” no qual Jean Dulon viveu sua aventura em 1994 acaba de virar patrimônio histórico. Naquele ano, o jornalista francês deu uma volta pelo contorno australiano com o então recém lançado compacto.

Era o ano de 1994, e o modelo chegara trazendo uma nova proposta ao mercado automobilístico. Jean conta que se inspirou no comercial do compacto: “Na época, a propaganda da Renault falava para inventarmos uma vida para combinar com o Twingo. Levei este slogan ao pé da letra e sugeri que a Renault inventasse uma aventura que combinasse com ele. A ideia era promover um encontro entre um veículo tão pequeno como o Twingo com um país tão grande como a Austrália”, conta.

Jean percorreu 25.000 km, sendo oito mil em estradas de terra, durante uma viagem de dois meses pela Austrália. Na viagem, o Twingo se tornou o primeiro veículo com tração em duas rodas a chegar o Cabo York. O local é a ponta mais ao norte da Austrália.

Vale destacar que Jean não tinha GPS ou serviço de assistência contratado. Nas áreas mais remotas, cada posto de combustíveis ficava a centenas de quilômetros do outro. E, antes de voltar à França, o jornalista Jean pediu que artistas locais imortalizassem sua aventura.

Artistas e celebridade

Os artistas australianos John Moriarty (da marca de vestuário Balarinji) e Frank Lee, assinaram a pintura “aborígene” deste Twingo único. Resultado: ao longo das últimas duas décadas o carrinho virou celebridade.

Além de um filme sobre a viagem, o carro também teve matérias publicadas e entrevistas em programas de TV. Em 1995 a Renault utilizou a imagem dele em um comercial. Na peça o slogan era “o Twingo é como um bumerangue: mesmo indo longe, ele sempre consegue voltar”.

Twingo histórico

A aventura não terminou quando ele voltou da Austrália e Jean continuou utilizando seu Twingo “Balarinji” no dia-a-dia, totalizando 250.000 km. Agora, ele praticamente se tornou um patrimônio histórico, tendo sido recentemente adquirido pelo Museu Nacional da Austrália (National Museum of Australia), em Canberra.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: